Saltério Reformado

10/09/2012

Salmo 50 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 19:02

[Video notas longas]

1 O Poderoso fala,_o SENHOR Deus,
Desde_o levante,_a terra a convocar
1-2 Até_o poente! Sim, desde Sião
2 Formoso monte, resplandece Deus.
3 Vem nosso Deus: / eis que não faz silêncio,
Com fogo_irado, brava tempestade.

4 De cima,_intima a terra_e todo_o céu
Para julgar o povo que é Seu:
5 “Meus santos d’Aliança congregai:
Seu sacrifício_um pacto nos selou”.
6 Agora_os céus / declaram a justiça,
Pois é o próprio Deus que traz juízo.

7 “Escuta_ó povo meu, pois falarei!
Contra_Israel eu testemunharei.
Eis que sou Deus, oh sim! Eu sou teu Deus.
8 Não é por sacrifício_a repreensão,
Nem pelos teus / contínuos holocaustos –
Não é por isso tudo que_eu Te julgo.

9 De tua casa não aceitarei
Novilho,_ou bode que no_aprisco tens.
10 Todo_animal que há no bosque_é meu,
Milhares de_animais nos montes há,
11 São todos meus / e_as aves da montanha
Também os animais que_ao campo pulam.

12 Eis que o mundo_é meu, e_o que contém:
Se eu ficar com fome, não direi!
13 Acaso_eu como bife de_animal?
Sangue de bodes, gosto de beber?
14 A Deus vem dar / teu sacrifício_em graças:
Teus votos ao Mais Alto Deus aplica!

15 Clama por mim no dia de_apreensão;
Livrar-te-ei, glorificar-me-ás.
16 Mas ao iníquo, Deus vai declarar:
“De que te serve_a minha lei dizer,
E repetir / palavras d’aliança,
Pois aborreces meu juízo_e Verbo?”

18 Vês um ladrão, e queres te_alegrar;
Com os impuros, te associar.
19 Soltas a boca para maldizer,
Sim! Tua língua trama enganar
20 Difamador / , denigre teu vizinho
Sentado, contra_o teu irmão fofocas.

21 Tens feito estas coisas, me calei;
Pensavas que_eu sou, pois, o teu igual
Mas te_arguirei: vou tudo revelar.
22 Considerai, pois, nisto, vós que não
Quereis lembrar / de Deus, o Soberano:
Vai trucidá-los, sem haver escape.

23 “Todos que_ofertam para me_adorar
Ações de graças, ao sacrificar:
São estes que me glorificarão;
A todo_aquele que lhes preparar
O seu caminho, dar-lhe-ei que veja
A Salvação de Deus, que o redime.

(Métrica: Lucas G. Freire, Set. 2012)

21/05/2012

Salmo 79 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 10:24

[Video]

1 Ó Deus, nações vizinhas invadiram
Tua herança,_e tudo destruíram.
Mesmo_o Teu santo templo profanaram:
Jerusalém inteira_arruinaram!
2 Corpos dos servos Teus
Deram aos animais,
Às aves por comida!
3 Qual água,_o sangue seu
Ali se derramou:
Não houve sepultura!

4 Tornamo-nos opróbrio dos vizinhos,
4-5 Escárnio_e zombaria! Até quando?
5 SENHOR, será pra sempre_a Tua ira?
Teu zelo vai queimar, arder qual fogo?
6 Derrama_o Teu furor
Sobre_as nações pagãs:
Teu nome não invocam.
7 Ao povo de Jacó
Quiseram devorar:
Moradas lhe_assolaram.

8 Não lembres contra nós o vil pecado
Que Te fizeram nossos pais iníquos;
Depressa, já, que venha_ao nosso_encontro
Tua mercê, pois fomos abatidos!
9 Assiste-nos, ó Deus!
Ó nosso Salvador,
Por glória de Teu nome,
Teu nome de amor:
Perdoa_e vem livrar.
Perdoa, pois pecamos!

10 Por que diriam as nações, zombando:
“Onde_é que_está o Deus daquele povo?”
Senhor, à nossa vista manifesta,
Contra_as nações hostis, vingança justa,
Porque se derramou
Sangue dos servos Teus.
11 Chegue_até onde_estás
Segundo_o Teu poder
– quão grandioso_és Tu! –
O grito do cativo.

Preserva,_ó Deus, os réus sentenciados,
Que, condenados, vão jazer em morte.
12 Senhor, também revida_aos inimigos!
Sim! Retribui até por sete vezes,
Sua injúria vil,
Que, grave, te zombou.
13 Mas nós, teu povo_aqui,
Ovelha_em pasto Teu
Pra sempre graças dá
Proclama_os Teus louvores!

(Métrica: Lucas G. Freire, Maio 2012)

19/05/2012

Salmo 80 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 10:14

[Video]

1 Pastor de Israel, escuta.
Guias José qual um rebanho
Entronizado,_em esplendor,
Mais alto que os querubins.
2 Ante_Efraim e Benjamim
E Manassés, vem em poder.

Desperta_e, com poder, nos salva.
3 Ó Deus, restaura_em livramento:
Faze Teu rosto resplender.
4 SENHOR, ‘té quando_irado_estás
Contra_oração do povo Teu?
Ó SENHOR dos Exércitos!

5 Dás ao Teu povo pão de dores
Para beber, copioso pranto:
6 Contenda contra as nações;
Nosso_inimigo ri de nós.
7 Resplende_o rosto_a restaurar,
Salva,_ó Deus dos Exércitos!

8 Trouxeste do país do_Egito
Videira, que plantaste_em terra.
Ao expulsares as nações,
9 Deste-lhe terra pra crescer
Raízes fundas, pois, deitou
Expandiu-se,_ocupou lugar.

10 Tanto cresceu, que_a sua sombra
Por sobre_os montes se projeta:
Por sobre_os cedros do Senhor.
11 Sua ramagem estendeu
Até ao mar, que longe_está;
‘Té ao rio,_os rebentos seus.

12 Por que as cercas derribaste
Pra vindimarem no caminho?
13 O javali destruidor
Selvagem, traz devastação
Nela, repastam animais
Que pululam em derredor.

14 Deus dos Exércitos, Te volta
Rogamos que, do céu, visites,
15 Protege_a Tua plantação
Feita por Tua destra mão,
Que, para Ti a reforçou.
16 Queimada_e decepada_está.

Pereçam nossos inimigos
Ó Deus, repreenda-os o Teu rosto.
17 Sobre_o Teu povo, ó Senhor,
Dá Tua destra_em proteção.
Ao Filho d’Homem, dá a mão
Que tornaste com força_a Ti.

18 Juntos a Ti, pois, ficaremos.
Teu Santo Nome_invocaremos
Oh! Vivifica-nos, SENHOR
19 Restaura-nos, pra nos salvar!
Vem, resplandece_o rosto Teu
Nosso Deus dos Exércitos.

(Métrica: Lucas G. Freire, Abr. 2012)

12/05/2012

Salmo 49 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , — Lucas G. Freire @ 18:24

[Video Profissional]
[Video com vozes divididas]
[Video]

1 Ó povos todos, escutai aqui
Sim, moradores desta terra,_ouvi,
2 Aos homens, sejam nobres ou plebeus,
De um em um, quem rico_ou pobre é:
3 Meus lábios com saber dissertarão,
Judicioso_é o meu coração.
4 A um provérbio_inclinarei o_ouvido,
Decifrarei o_enigma_ao som da harpa.

5 Por que temer nos dias de_aflição,
Quando_o iníquo me persegue,_então?
6 (O qual se vangloria nos seus bens).
7 Ninguém consegue, pelo seu irmão,
Comprar de Deus a sua remissão:
8 Pois muito cara_é_a sua redenção
Pagá-la, tentariam para sempre,
9 Pra vida_eterna ter, sem ver a cova.

10 Vemos que_os sábios vão a perecer,
Também o_estulto,_inepto_a falecer,
Sua riqueza deixa_a quem sobrar.
11 Seu pensamento vive_a cobiçar
Casas perpétuas, pelas gerações;
Seu próprio nome vão à terra dar.
12 Mas apesar de_ostentação, o homem
Morre: qual animal, eis que perece.

13 São néscios, mas tem seguidores maus,
Sua palavra_aplaudem com ardor.
14 São como_ovelha, postos a jazer.
A morte_é seu pastor: e descerão
À cova, onde_a formosura_esvai.
14-15 Esta_é seu lar, mas Deus me remirá
15 Minh’alma salva do poder da morte,
Pois há de me levar consigo mesmo.

16 Não temas quando_alguém se_enriquecer,
Se_em glória_a sua casa for crescer:
17 Pra si, da morte nada levará,
A sua glória não o seguirá.
18 Na vida, mesmo se_indulgente for,
19 Um dia,_irá ter com seus pais, sem luz,
20 Tal homem, mesmo que honrado fosse,
É nescio_e, como_os animais, perece.

(Métrica: Lucas G. Freire, Março 2011)

25/04/2012

Salmo 61 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 12:25

[Video – responsos e Salmo]

[Video]

1 Ouve,_ó meu Deus, minha prece.
Vem atende!
2 Abatido_é_o coração:
Desde os confins da terra,
por Ti clamo!
Dá-me_ajuda no_escalar.

3 Contra_inimigo_és Refúgio,
Torre Forte!
4 Que pra sempre_eu vá servir
Na morada onde_habitas,
eu me_abrigo:
Tuas asas, proteção.

5 Deus, atentaste_aos meus votos,
dando_herança
Do que teme_ao nome Teu.
6 Para_o Rei concedes dias,
Vida longa:
Gerações pós gerações.

7 Perante Deus permaneça
para sempre;
Protegido, bom, fiel.
8 Salmodiarei Teu nome
para sempre,
Os meus votos a cumprir.

(Métrica: Lucas G. Freire, Abril 2012)

24/03/2012

Salmo 46 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 23:01

[Video – notas longas]

[Video]

1 Nosso refúgio_e fortaleza
É Deus, nas aflições presente.
2 Assim, não temeremos, pois,
Mesmo que_a terra trema,_então,
No mar se_abalem as montanhas.
3 Mesmo que_as águas tumultuem
E fiquem a espumejar
E_os montes todos, a tremer.

4 Existe_um rio cujas águas
Cidade divinal alegram.
É santuário do Senhor,
Habitação do_Altíssimo.
5 Eis, Deus está no meio dela,
Jamais será, pois, abalada.
Desde_o começo da manhã,
Quem sempre_ajuda_é o Senhor.

6 Bramam nações, reinos se_abalam;
Deus fala_e Sua voz ressoa,
Faz, pois, a terra dissolver.
7 Deus, o SENHOR d’Exércitos,
Deus de Jacó, está conosco;
É Ele_o nosso bom refúgio
8 Vinde Suas obras contemplar:
Que_assolações efetuou!

9 Deus põe um termo_à guerra_armada,
Até_os confins do vasto mundo.
O arco_e_a lança quebrará,
No fogo,_os carros queimará.
10 “Quietos! Sabei: sou Deus louvado
Por entre_os povos e na terra”.
11 Eis que_o SENHOR conosco_está
Deus de Jacó, Refúgio_a nós!

(Métrica: Lucas G. Freire, Ago.2010-Março 2012)

Salmo 45 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 00:19

[Video – notas longas]

[Video]

1 Meu coração transborda_em bons dizeres.
Minha canção ao grande Rei consagro,
A minha língua_é pena de_escritor:
2 “Por entre_os homens, o mais belo_és Tu.
Pelos Teus lábios derramou-se_a graça;
Por isso, Deus Te_abençoou pra sempre.
3 Espada cinge no Teu flanco,_herói:
Veste de glória_e majestade_assim”.

4 “Por causa da verdade_e da justiça:
Cavalga, vence:_a destra faz proezas.
5 As Tuas setas bem agudas são:
Penetra_o inimigo_ao coração;
Povos que_opõem ao Rei, submissos, caem.
6 Teu trono,_ó Deus, subsiste para sempre;
O cetro de Teu Reino_é justo_e bom.
7 Amas justiça_e Te opões ao mal”.

Por isso,_ó Rei, Teu Deus Te_ungiu com óleo
Alegre_unção, que_exclui Teus companheiros
8 Todas as vestes com perfume_estão:
Recendem mirra, cássia_e aloés.
Como palácios de marfim, ressoam
O som dos instrumentos que te_alegram.
9 Filhas de nobres reis te honrarão:
Damas de honra_e companhia_a Ti.

À Tua destra_está, bem adornada,
Com ouro puro de Ofir, que bela,
9-10 Tua Rainha – Ouve, filha_e vê:
10 “Teu povo_esquece,_e_a casa de teu pai.
11 O Rei se_encantará da formosura:
É teu Senhor, inclina diante dEle.
12 Presentes ganharás, de Tiro_até!
Ricos daqui, favores pedirão”.

13 Formosa_é a princesa no palácio;
A sua veste_é costurada_em ouro.
14 Bordadas roupas para ver seu Rei;
Donzelas companheiras vão também.
15 Com alegria_entrando no palácio,
16 Em vez dos pais, serão Teus filhos nobres
17 Teu nome_eu faço_honrado_às gerações
Povos te louvarão pra sempre,_Amém!

(Métrica: Lucas G. Freire, Março 2012)

15/03/2012

Salmo 104 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 23:48

[Video]

1 Minh’alma, ó bendize ao SENHOR!
Como_és magnificente, grande DEUS:
Sobrevestido_em majestade_e glória,
2 Coberto_em luz, qual manto luminoso.
Eis que estendes, em cortina,_o céu,
3 Tua morada firmas sobre_o mar
Teu carro_é nuvem. Vento, Tuas asas!
4 Dos anjos fazes vento_e labaredas.

5 Fundaste_a terra pra não vacilar.
6 Abismo_é Tua roupa:_e se cobriu;
Deixaste_as águas sobre as montanhas;
7 À voz de Teu trovão, se retiraram.
8 Subiram montes ao lugar que_é seu,
Vales desceram ao lugar que_é seu.
9 Às águas deste_abismo_insuperável,
Pra que não tornem a cobrir a terra.

10 Fontes, no vale, fazes rebentar
Com águas entre_os montes a correr;
11 Dão de beber aos animais do campo;
Selvagens potros matam sua sede.
12 É nessas águas o melhor lugar
Para pousarem pássaros do céu;
Entre_a ramagem, entoarem canto
Sim: lá desferem o seu belo canto.

13 Montanhas regas do Teu alto céu,
A terra_é farta do trabalho Teu.
14 Fazes crescer pros animais a relva,
Também as plantas pra servir ao homem,
De sorte que da terra tire_o pão;
15 Vinho que_alegra_o nosso coração,
Óleo de_oliva, que dá brilho_ao rosto,
Bom alimento que sustém as forças.

16 Ganham vigor as árvores de DEUS,
Os cedros libaneses que plantou,
17 Nos quais as aves fazem os seus ninhos;
Quanto_à cegonha, mora nos ciprestes.
18 Os altos montes são, também, um lar
Pra cabra da montanha habitar.
Eis que, também, as rochas são refúgio
Dos arganazes, fortes roedores.

19 A lua marca_o tempo regular,
O sol já sabe quando declinar.
20 Dispões, ó Deus, as trevas: vem a noite,
Na qual vagueiam animais da selva.
21 Os leõezinhos rugem pra comer
Buscam, de Deus, sustento pra viver.
22 Em vindo_o sol, ó eis que se recolhem
Pra descansar na toca, protegidos.

23 Até o fim do dia_escurecer,
O homem tem trabalho_e afazer.
24 SENHOR, que variedade_em Tuas obras!
Sim! Que sabedoria_utilizaste!
Cheia_é_a terra: muito prosperar!
25 O mar, imenso: seres a nadar,
25-6 Seres pequenos, grandes e navios;
Leviatã, por Tuas mãos formadas.

27 A criação espera,_ó Deus, de Ti,
Seu alimento_em tempo regular.
28 Abres a mão: fartura, pois, recolhem.
Se_o concederes, haverá fartura.
29 Mas, se_o Teu rosto fores ocultar,
Eles sucumbem, ao se perturbar;
Oh! Se_impedires que, assim, respirem.
Morrem, e voltarão a ser poeira.

30 Envias Teu Espírito_a criar,
Pra face do planeta renovar.
31 A glória do SENHOR pra sempre seja!
Oh Sim! Que Deus SENHOR, em Suas obras,
Possa, na Sua glória, exultar!
32 Foi tão-somente com o Seu olhar
Que fez a terra, dando-lhe tremores.
Toca_os vulcões: fumegam em resposta.

33 Canto_ao SENHOR enquanto eu viver;
Durante_a minha vida,_a Deus louvor.
34 Que meu pensar Lhe seja agradável;
É no SENHOR que eu me_alegro sempre.
35 Suma da terra todo pecador,
Perversos não consigam subsistir.
Ó minha alma, teu SENHOR bendize!
A Deus cantai louvores! Aleluia!

(Métrica: Lucas G. Freire, Mar. 2012)

11/03/2012

Salmo 144 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 15:19

[Video]

1 Bendito_é o SENHOR e minha Rocha,
As minhas mãos adestra pra batalha
Prepara, para_a guerra,_os dedos meus;
2 É meu Refúgio, meu Libertador
É meu Escudo, minha Fortaleza,
Em Quem confio: me sujeita_o povo.
3 Quem é, SENHOR, o homem, pra sabê-lo?
4 É como sopro_e sombra_a passear.

5 SENHOR, abaixa os teus céus e desce;
Os montes toca,_e soltarão fumaça.
6 Manda trovões, dispersa_os inimigos;
Com flechas, confundindo_a cada um.
7 Do alto_estende_a mão em livramento,
Tira das águas, do poder de_estranhos,
8 Cuja direita vive_em falsidade,
Com sua boca sempre_a enganar.

9 A Ti, ó Deus, eu canto_um novo hino;
Com meu saltério_eu cantarei louvores.
Louvor darei usando_as suas cordas.
10 É ele quem aos reis vitórias dá;
Livra Davi, Seu servo, da espada.
11 Livra_e me salva do poder de_estranhos,
Cuja direita vive_em falsidade,
Com sua boca sempre_a enganar.

12 Que nossos filhos, quando_em mocidade,
Sejam qual plantas firmes, vicejantes.
E nossas filhas, pedras angulares,
Colunas de palácio, a brilhar;
13 Nossos celeiros, fartos, se transbordem;
Nossos rebanhos rendam aos milhares;
14 Que nossas vacas andem bem pejadas,
Gado saudável, forte_e sem revés.

Na nossas praças, centro da cidade,
Extintos sejam gritos de lamento:
Ali não haja tanto lamentar.
15 Tal povo, cujo Deus é o SENHOR,
A quem assim sucede_em mil venturas,
É bem-aventurado_e mui prospera.
Sim! Eis que_é muito bem-aventurado:
Povo que só adora_a Deus SENHOR!

(Métrica: Lucas G. Freire, Março 2012)

08/03/2012

Salmo 35 (Genebra)

Filed under: Salmos Metrificados — Tags:, , , — Lucas G. Freire @ 20:27

[Video]

1 SENHOR, contende_e vem lutar
Com os que querem me_atingir;
2 Escudo_e o broquel embraça
Dispõe-Te, vem ao meu auxílio.
3 Empunha lança_em repressão
Ao passo do perseguidor;
Vem à minh’alma declarar:
“Eu sou a tua salvação”!

4 Querem a vida me tirar:
Tenham vergonha_e confusão!
Todos que contra mim conspiram
Recuem, bem envergonhados!
5 Que fiquem como palha_ao léu,
Que_os leve_o anjo do SENHOR:
6 Na senda venha_os perseguir,
Deslizem no escuro_andar.

7 Sem causa,_armaram contra mim,
Pra vida_em cova me tirar.
8 Que venha sobre_o inimigo
Destruição, bem sorrateira,
Quando_ele nem sequer pensar;
Nos mesmos laços que tramou,
Que possa se precipitar:
É esta_a queda que terá!

9 Minh’alma_em DEUS se_alegrará,
Deleita_em sua salvação.
10 Meus ossos ao SENHOR declaram:
“Quem, Deus, contigo_é comparável?”
Aos fracos, livramento dás:
Ajuda contra_os valentões.
Sim! Aos carentes vem livrar
Do que deseja_expropriar.

11 Iníquas testemunhas vêm
Cobrar-me coisas que_eu não sei.
12 O bem com mal eles me pagam:
Desolação! Minh’alma_estragam!
13 Mas quando,_enfermos, eu os vi
Aflito,_em saco me vesti,
Cabeça baixa_e com jejum,
14 Como se fossem meus irmãos.

Curvado_em luto, pois, chorei,
Como se fossem minha mãe.
15 Quando, porém, caí por terra
Alegres, contra mim juntaram;
Desconhecidos, sem ter dó,
Vieram me fazer sofrer.
16 Como palhaços em festins,
Rangiam dentes contra mim.

17 Até, Senhor, quando_olharás?
Livra minh’alma dos leões
Da sua violência_e fúria.
18 Dar-Te-ei graças n’assembleia,
Louvar-Te-ei na multidão.
19 Não se alegre_o meu algoz
Que, sem motivo, se opõe:
Nem mesmo_o olho piscará!

20 Não é de paz que vai falar;
Enganos trama, sem cessar,
Pra quem, na terra,_em paz habita.
21 Abre-me_a boca, diz assim:
“Peguei! E vi com olhos meus!”
22 Viste-o, SENHOR, não sai de mim.
23 Justiça vem fazer, meu Deus,
À causa minha, meu Senhor!

24 Julga, SENHOR, meu Justo Deus;
Não deixes que_o opositor
24-25 Alegre, diga pra si mesmo:
“O meu desejo foi cumprido!
Dei cabo dele!_Agora sim!”
26 Possa_em vexame_envergonhar
Quem se_alegrar no meu revés
Soberbo, pejo possa ter!

27 Jubile_e cante que se_apraz
Alegre_em minha retidão.
E digam sempre: “Glorioso
Seja_o SENHOR, é Deus bondoso
Pois se compraz no servo Seu
Quando_em prosperidade vai!”
E minha língua,_em Teu louvor,
Canta_a justiça sem cessar.

(Métrica: Lucas G. Freire, Mar. 2012)

Older Posts »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.